A Verdadeira Religião

Dia 28 de agosto, celebramos a memória de Santo Agostinho, Bispo de Hipona, pai e doutor da igreja católica.

 

O trecho abaixo foi extraído do livro “ A VERDADEIRA RELIGIÃO” – Autor Santo Agostinho.

 

Que nossa religião não seja culto às obras humanas. Os operários que as fabricaram valem mais do que elas. Contudo, nós não devemos cultuar”.

 

Que nossa religião não seja culto aos animais. Os últimos dos homens valem mais do que eles. Contudo, não os vamos cultuar”.

 

Que nossa religião não seja culto aos mortos. Se eles viveram na piedade não se comprazem com tais honras, antes querem que adoremos AQUELE em cuja luz eles mesmos se alegram ao ver-nos associados a seus méritos. Honremo-los, pois imitando-os e não os adorando. E se viveram mal, onde quer que estejam, nenhum culto merecem”.

 

“Que nossa religião não seja culto aos demônios, porque toda superstição é para o homem o pior castigo e a mais perigosa torpeza, tal prática será para os demônios, honra e triunfo”…

Quanto a mim, eis que adoro unicamente:

– a Deus, o princípio único de todas as coisas;

– à Sabedoria, graças a quem toda alma sábia é sábia;

– e ao próprio Dom, que faz a felicidade de todos os que são felizes.

Que nossa religião nos ligue, pois, ao Deus único e onipotente. Entre nosso espírito com o qual o conhecemos como Pai e a Verdade – isto é, a luz interior com que o conhecemos, criatura alguma se interpõe.

 

É a Trindade de substância única. Deus único de quem recebemos o ser, por quem existimos e em quem somos. Dele, porém nos afastamos, deixando de lhe ser semelhantes. Mas ele não nos deixou perecer. Ele é o Princípio ao qual retornamos, o modelo que devemos seguir, a graça que nos reconcilia.

Santo Agostinho rogai por nós.