PATROLOGIA, PATRÍSTICA e PADRE ou PAI DA IGREJA

O termo PATROLOGIA designa, propriamente, o estudo sobre a vida, as obras e a doutrina dos pais da Igreja. Ela se interessa mais pela história antiga incluindo também obras de escritores leigos.

 

Por PATRÍSTICA se entende o estudo da doutrina, as origens dessa doutrina, suas dependências e empréstimos do meio cultural, filosófico e pela evolução do pensamento teológico dos pais da Igreja.

 

Foi no século XVII que se criou a expressão “teologia patrística” para indicar a doutrina dos Padres da Igreja distinguindo-a da “teologia bíblica”, da “ teologia escolástica” da “teologia simbólica” e da “teologia especulativa”.

 

Finalmente, PADRE ou PAI da IGREJA se refere a escritor leigo, sacerdote ou bispo, da antiguidade cristã, considerado pela tradição posterior como testemunho particularmente autorizado da fé.

 

Os “Pais da Igreja” são, portanto, aqueles que, ao longo dos sete primeiros séculos, foram forjando, construindo e defendendo a fé, a liturgia, a disciplina, os costumes e os dogmas cristãos, decidindo, assim, os rumos da Igreja. Seus textos se tornaram fontes de discussões, de inspirações, de referências obrigatórias ao longo de toda a tradição posterior.

 

Fonte: PAULUS Editora

 

Alguns dos escritores considerados “Pais da Igreja”:

 

– Santo Agostinho;

– Santo Ambrósio de Milão;

– Santo Inácio de Antioquia;

– São Cipriano;

– São Jerônimo, entre outros…